Depoimentos - Defensores da Amamentação

Conheça histórias reais de mães que amamentaram. Mães que tiveram dificuldade, mães que acharam fácil, mães que desistiram, mães que amamentaram por mais de 2 anos… todos os tipos de mãe. clique no título para ver o depoimento. E você também pode enviar o seu! 🙂

Envie seu depoimento

Cássia Lopes

Enviado em 6 de agosto de 2015

Tenho dois filhos, uma moça de 16 anos a qual amamentei até os 2 anos e um menino de 3 anos que amamentei até 1ano e 8 meses por que ele não quis mais. Amamentar é um prazer, é um contato maravilhoso com seu filho. Vale lembrar que ainda que apareça uma flacidez, isso não é nada se comparada com a troca de afeto entre mãe e seu bebê. Apoio sempre a amamentação.

Tatiana Toledo

Enviado em 4 de agosto de 2015

Desde a gravidez da minha filha procurei me informar bastante não só sobre parto, mas também sobre amamentação. Quando a minha filha nasceu tive sorte com a pega dela, mas mesmo assim tive uma pequena rachadura que doía muito. Pedi ajuda às enfermeiras do hospital no 1o dia e, já em casa, senti o leite descer e me senti muito mal nesse momento: parecia que estava com febre, muita dor no corpo… Eu não sabia que a descida do leite poderia causar isso! No começo eu tinha muito leite, felizmente! Chegava a pingar. Amamentava em livre demanda, nunca estipulei horários e nunca ofereci mamadeira, mesmo com meu leite. Com o tempo a produção diminuiu um pouco e eu comecei a ficar preocupada, pois ia voltar a trabalhar quando minha filha fizesse 5 meses e precisava ter um estoque. Então eu me hidratava muuuuuito: chás, água de coco, suco, água, sopas… na maior quantidade que conseguisse!! Comia super bem também, em muita quantidade, mas priorizando coisas saudáveis, porém sem qualquer dieta. Era cada pratão gigantesco…
Comecei, então, a tirar o leite com a bombinha elétrica e no começo era muito difícil!! Achei que não fosse conseguir, mas o corpo se adapta e depois que voltei a trabalhar mantive essa rotina de tirar o leite 2 vezes por dia para mandar para a escola. Era um super trabalho limpar tudo todos os dias, sair carregada (amava os saquinhos descartáveis Lansinoh), levar gelo, guardar tudo no congelador, depois no freezer em casa… Mas mantive essa rotina até minha filha fazer 1 ano. Por sorte, tive também essa flexibilidade no meu trabalho, mas foi algo que eu não coloquei como opcional, eu simplesmente ia fazer e ponto. Almoçava mais rápido, mas dava um jeito de ordenhar.
Quando minha filha fez 1 ano começou a sobrar muito leite e eu já tirava só 1 vez ao dia. Comecei a achar que não valia a pena todo esse esforço para somente 1 mamadeira na escola e foi só aí que introduzi o leite artificial. Chorei no dia que comprei a 1a lata!! Ela ainda mamou no peito por algum tempo, mas depois foi se desinteressando e acabou desmamando, mas de forma muito tranquila e sem stress. O meu corpo foi se adaptando também aos poucos e o leite não demorou muito para secar. Fico muito feliz por ter feito isso pela minha filha e acho que fortaleceu muito o nosso vínculo!

Evellin Araújo

Enviado em 31 de julho de 2015

Bom, pra começar quero dizer que a amamentação pra mim não foi nada fácil, não foi como eu sonhei que sairia da maternidade com meu filho mamando e que seria lindo e maravilhoso. Meu filho nasceu de 8 meses e com 2.430kg, quando saimos do hospital ele ficou com 2.300kg, e ai começa minha luta, passei o resguardo na casa da minha mãe achei q seria o melhor lugar, mas não não foi, Minho vó também mora com ela, quando chegamos do hospital o Bernardo já mostrava que era preguiçoso pra mamar, colocava ele no peito, mas a boca dele pequena impedia q ele abocanhasse todo minha aureola, e ele sugava e largava e nessa briga por 15 dias, e a minha mãe começou a dizer q o meu leite não estava sustentando ele, q ele estava com fome, q ele não engordavam, mas eu n entendia o pq disso tudo pq meus seios empedravam, sujavam a cama de tanto leite, e como não sustentava meu filho. E ai pra minha surpresa minh mãe chegou em ksa com uma lata de leite artificial, passei 1 mês dando esse leite pro meu filho, tudo bem ele começou a engordar, mas e agora? Sério q ele ia mesmo ficar tomando esse leite mesmo eu tendo muiiito leite??? E ai conheci uma mulher pelo instagram que foi minha salvação, me ajudou muito, conselhos e conselhos e decidi parar, consegui após 1 mês de fórmula voltar pro leite materno exclusivo, ele tava ganhando peso, tinha aprendido a mamar direito, mas mesmo assim a minha vó e a minha mãe insistiam q eu tinha q dar alguma coisa pra ele comer, era incrível como elas não aceitavam. E ai fui pra minha casa, ele hoje tem 7 meses começou a introdução alimentar, come direitinho mas o leite dele ele não largou ele continua, mas até hoje elas ficam me dizendo que ele vivia com fome q ele queria uma “comidinha” na língua delas. Criei e crio o meu filho da melhor maneira crio ele com o coração, e sempre defenderei a amamentação exclusiva até os 6 meses e a amamentação prologanda até os 2 ou mais por quanto ele quiser.

Miucha Dias, mãe de Nicolas e Lorena

Enviado em 23 de julho de 2015

Pode se começar a falar de amamentação falando pela parte difícil, mas optei por começar pela sensação maior de doação e amor que você pode dar para o seu filho. Porque no momento da amamentação são vocês dois…olho no olho, vocês se conhecendo aos poucos pelo olhar, pelos sorrisinhos, uma cumplicidade única, que só existe nesta linda relação de mãe e filho. Um momento único, que apesar das dificuldades que enfrentei no início (meu primeiro filho tem 8 anos), até hoje lembro da dor que senti ao amamentá-lo pela primeira vez, da ferida no peito, das lágrimas, mas insistir e amamentá-lo foi a melhor coisa que fiz por nós dois. Hoje com minha segunda filha, uma menininha de apenas 8 meses, tive as mesmas dificuldades, mas sabia que valia a pena persistir e superar a dor. Existe recompensa maior em ver seus filhos crescendo a cada mês e saber que aquele leite que só você tem faz toda a diferença para ele? Não existe, por isso, se posso dar um conselho é o de persistir e ser paciente, tudo passa…e no final valerá a pena cada segundo, cada hora da madrugada que você acordar para amamentar.

Liga da Amamentação

Conheça as empresas e instituições que apoiam o aleitamento materno: